Comitê da Cultura de Paz

42º Fórum
Marca: O que o coração não sente, os olhos não vêem – Reflexões sobre marketing e ética

Com Stalimir Vieira

As relações que existem atualmente entre publicitários e clientes parecem estar pautadas exclusivamente no mercado e quase nada na ética. Sucesso, profissionalismo e qualidade ética da marca; ações de marketing éticas; o uso do marketing para disfarçar deficiências éticas das empresas: estes são apenas alguns dos assuntos em pauta quando refletimos sobre a contribuição da publicidade para uma cultura de paz.

O marketing é uma ferramenta e, como tal, cumprirá a função que seu operador der a ela. Portanto, a união de marketing e ética só será uma utopia se, antes de mais nada, um ser humano ético for também uma utopia. Não podemos defender o que não conhecemos, não podemos abraçar uma causa para a qual não fomos educados. A ética é produto da educação.

São três as atitudes do consumidor diante da marca: 1) consumi-la por falta de oportunidade de consumir outras marcas (esta perde mercado dramaticamente diante qualquer alteração do quadro social ou circunstâncias de vida do consumidor). 2) Consumi-la por
oportunismo (a marca não é confiável, mas o consumidor corre o risco, especulativamente, e é cúmplice da suspeição ética – o
relacionamento do consumidor com estas marcas é totalmente descartável). 3) Consumi-la por confiança (o consumidor compactua
com a atitude responsável da marca tomando uma atitude responsável de consumo – e estas marcas eticamente confiáveis passam de pais para filhos).

No longo prazo, a ética é o mais poderoso formador de imagem de marca. Ética é princípio. Princípio é raiz. Tudo que é gerado a partir daí estará impregnado de espírito ético. Ser ético é, antes de mais nada, dar-se o respeito. Marcas que se dão o respeito são respeitadas pela sua comunidade, e despertam na comunidade um comportamento distinto.


Stalimir Vieira: Publicitário com 30 anos de profissão. Foi diretor de criação da DPZ, da W/Brasil, da Bates e da DDB Argentina. Professor e coordenador da cadeira de criatividade e inovação da Escola Superior de Propaganda e Marketing. Professorconvidado de pós-graduação em Comunicação Social da Universidade de Havana. Membro do Conselho de Ética do CONAR (Conselho de Auto-Regulamentação Publicitária) e diretor geral da Stalimir Publicidade.

 



ENTRADA FRANCA

9 de agosto de 2005 – terça-feira – 18 horas
Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Auditório Paula Souza
Av. Dr. Arnaldo, 715 – São Paulo – (Estação Clínicas do Metrô)

Realização: Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz