Comitê da Cultura de Paz

94º Fórum
Como podemos educar nossas emoções?

Todos já tivemos um episódio emocional do qual nos arrependemos. Infelizmente ele pode acontecer em momentos importantes, gerar consequências duradouras e até mesmo mudar o rumo de nossas vidas. Mas, será que poderia ter sido diferente? Poderíamos ter sido educados emocionalmente e desenvolvido instrumentos para lidar com situações difíceis de outra maneira? Será que podemos aprender algo agora?

As emoções são fundamentais para nossa sobrevivência e proteção enquanto indivíduos, e para estabelecer conexões com os outros membros da sociedade. A raiva, por exemplo, muitas vezes vista como uma emoção destrutiva, é necessária e não pode ser suprimida para defender a si mesmo e ao grupo contra uma injustiça ou ameaça. Mas como “fazer uso” da raiva de maneira construtiva e evitar que ela tome proporções desajustadas que levam à violência gratuita?

Criatividade, flexibilidade mental, auto-controle e disciplina, são características que dependem do desenvolvimento das chamadas funções executivas, e há evidência de que elas podem ser desenvolvidas em crianças e adolescentes por jogos (computadorizados ou não), atividades físicas (das artes marciais ao yoga), treinamento de atenção plena e pelo currículo escolar. Estas características parecem centrais para o equilíbrio emocional.

Para adultos, há programas educativos que incluem o desenvolvimento da atenção plena, atividades físicas, a redução dos níveis de estresse e aprimoram habilidades de reconhecimento das emoções. A proposta destes programas é nos ajudar a ter uma possibilidade de escolha emocional, de promover emoções mais construtivas e reduzir a hostilidade.

É esta área da educação emocional, ainda negligenciada em boa parte das escolas formais e dos ambientes sociais humanos, que iremos abordar neste Fórum.


Elisa Harumi Kozasa — no Brasil é uma das pioneiras nas pesquisas sobre práticas contemplativas e, em especial, da Neurociência Contemplativa. É formada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, com mestrado e doutorado pelo Depto. de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo. Participou como Research Fellow do Mind and Life Summer Research Institute. Em 2006 participou dos diálogos com o Dalai Lama sobre Ciência e Espiritualidade, e em 2011 sobre Estados de Consciência. É pesquisadora visitante do Instituto do Cérebro do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein e realiza pesquisas no Depto. de Psicobiologia da UNIFESP. É instrutora de Aikido 5º Dan faixa-preta, tendo participado da apresentação do World Games em 2001 em Akita, Japão. Possui certificação internacional como instrutora do programa Cultivating Emotional Balance tendo sido treinada por Paul Ekman e Alan Wallace.

 


ENTRADA FRANCA

13 de março de 2012 ▪ terça-feira ▪ 19 horas
Auditório do MASP ▪ Museu de Arte de São Paulo
Av. Paulista, 1578 – São Paulo/SP – Estação Trianon-Masp do metrô

Não é necessário fazer inscrição antecipada

Realização: Comitê da Cultura de Paz