Comitê da Cultura de Paz

As mulheres como sujeito coletivo de construção de paz

Neste artigo, a Dra. Carmen Magallon estuda a contribuição das mulheres para a paz como a identificação de um dos sexos como ator político particular em favor de uma causa que é de interesse universal. As mulheres são mais pacíficas do que os homens? Pode-se dizer que elas não são responsáveis pelas guerras e pelas formas de violência que marcaram o devenir da humanidade? As mulheres podem contribuir, de maneira específica, para a construção da paz?

Estas e outras questões perfilam um vivo debate suscitado em muitos momentos da História, que ainda persiste. O artigo, em espanhol, analisa a forte associação simbólica entre mulher e paz, as iniciativas de mulheres pela paz na História recente, as mulheres organizadas para trabalhar pela paz e mulheres e negociações de paz.

A Dra. Carmen Magallon é doutora em física e filosofia, catedrática da Fundação Seminário de Pesquisa para a Paz de Saragoza, Espanha (SIP), professora associada da Universidade de Saragoza e vice-presidente da Associação Espanhola de Pesquisa para a Paz (AIPAZ). O artigo foi publicado em Cuadernos Bakeaz 61.